Meu Inseparável Bicho

Os animais, há séculos, milênios tem acompanhando os seres humanos na sua caminhada através dos tempos. Muitos destes animais são grandes amigos do homem, outros nem tanto, mas todos presentes entre nós ou onde quer que vamos. O MEU INSEPARÁVEL BICHO busca justamente mostrar esse laço que é desenvolvido entre os seres humanos e os animais de uma forma geral, não apenas cães e gatos, mas todo tipo de animal que se torna parte de nossas vidas e nos ajuda a seguir em frente.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Meu Inseparável Bicho entrevista: Cecilia e Lucia

Cecilia e Lucia trabalham como protetoras e contam através desta entrevista experiências e casos interessantes de suas vidas com os animais.




Meu Inseparável Bicho entrevista: Clarita

Clarita nos conta sua expêriência com os animais e como eles a fazem bem.
Uma entrevista muito interessante e agradável. Confira!






quarta-feira, 23 de junho de 2010

Meu Inseparável Bicho entrevista: Luiza, Dara e Ivonete

Filha, mãe e avó contam que ter uma poodle não é tão fácil como parece. Confira essa divertida entrevista!


terça-feira, 22 de junho de 2010

Luiza e sua cadelinha Chacota

Através desse vídeo, podemos observar todo o
amor de Luiza pela sua cadelinha vira-lata
Chacota.
Podemos conferir também algumas peripécias,
que esta pequena gosta de aprontar com sua dona!
Que dupla!!

video

Encontro de cachorros no Aterro do Flamengo!!



Todos os finais de semana a partir das 9:00 horas da manhã, atrás do restaurante Porcão no Aterro do Flamengo acontece um encontro super divertido de cachorros, onde as "mamães" e "papais" levam seus filhotes para brincarem ao ar livre.
Nesse encontro além da interatividade entre os animais, os donos trocam experiências, dicas e peripécias dos seus bichinhos!
Vale a pena conferir!

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Tereza conta peripécia de sua cachorra

Tereza nos conta como é ter uma labradora endiabrada.
No final do vídeo mostro quais os animais eles possuem dentro de casa.


Surpreenda-se com eles!!


Meu Inseparável Bicho entrevista: João Paulo e Tereza

Mãe e filho contam como é ter vários animas em casa (três cachorros, dois gatos e dois periquitos), como conseguiram tantos e como é a convivência de todos em um apartamento.

Emoção é que não falta a essa família!


quinta-feira, 17 de junho de 2010

Texto de Carlos Heitor Cony

Texto de Carlos Heitor Cony
Publicados no jornal Gazeta do Povo

Mila
04/06/1995

RIO DE JANEIRO - Era pouco maior do que minha mão: por isso eu precisei das duas para segurá-la, 13 anos atrás. E, como eu não tinha muito jeito, enconstei-a ao peito para que ela não caísse, simples apoio nessa primeira vez. Gostei desse calor e acredito que ela também. Dias depois, quando abriu os olhinhos, olhou-me profundamente: escolheu-me para dono. Pior: me aceitou. Foram 13 anos de chamego e encanto. Dormimos muitas noites juntos, a patinha dela em cima do meu ombro. Tinha medo de vento. O que fazer contra o vento?
Amá-la — foi a resposta e também acredito que ela entendeu isso. Formamos, ela e eu, uma dupla dinâmica contra as ciladas que se armam. E também contra aqueles que não aceitam os que se amam. Quando meu pai morreu, ela se chegou, solidária, encostou sua cabeça em meus joelhos, não exigiu a minha festa, não queria disputar espaço, ser maior do que a minha tristeza.
Tendo-a a meu lado, eu perdi o medo do mundo e do vento. E ela teve uma ninhada de nove filhotes, escolhi uma de suas filhinhas e nossa dupla ficou mais dupla porque passamos a ser três. E passeavamos pela Lagoa, com a idade ela adquiriu "fumos fidalgos", como o Dom Casmurro, de Machado de Assis. Era uma lady, uma rainha de Saba numa liteira inundada de sol e transportada por súditos imaginários.
No sábado, olhando-me nos olhos, com seus olhinhos cor de mel, bonita como nunca, mais que amada de todas, deixou que eu a beijasse chorando. Talvez ela tenha compreendido. Bem maior do que minha mão, bem maior do que o meu peito, levei-a até o fim. Eu me considerava um profissional decente. Até semana passada, houvesse o que houvesse, procurava cumprir o dever dentro de minhas limitações. Não foi possível chegar ao gabinete onde, quietinha, deitada a meus pés, esperava que eu acabasse a crônica para ficar com ela.
Até o último momento, olhou para mim, me escolhendo e me aceitando. Levei-a, em meus braços, apoiada em meu peito. Apertei-a com força, sabendo que ela seria maior do que a saudade.

Entrevista com a Maiza

Nosso blog se propõe a fazer algumas entrevistas com pessoas que se sentem felizes com seu INSEPARÁVEL BICHO..
A entrevistada de hoje é a Maiza Toledo, e sua cadelinha é chamada de Bolinha.



1 - Por que você gosta de animais?
R- Porque são companheiros
2 – Você sente que há um laço entre você e o seu animal de estimação? Como é este laço?
R- Sim. Ela sempre late quando estou abrindo o portão de casa.Acho que ela
sabe quando estou chegando.
3 – Por que você prefere cachorro?
R- Porque não gosto de gatos.
4 – Você já deixou de sair para algum lugar, pois não quis deixar seu animal sozinho em casa? Você faz isso freqüentemente?
R- Não
5 – Você mudou a sua rotina por causa do seu animal de estimação?
R- Não
6 – Você dorme com o seu animal de estimação na sua cama?
R- Já dormi quando ela era menor, agora não dá mais
7- Qual a origem do animal?
R- Não sei ,uma mistira de boder collie com vira -lata
8- De onde veio a idéia de criar animais?
R- Minha mãe tinha cachorros quando era criança tanto que o meu primeiro
cachorro se chamava Duque como era o nome do dela.
9- O que ele representa para você?
R- Felicidade
10- Você consegue imaginar como seria sua vida hoje sem ele?
R- Não, nem imagino
11- Como é a relação de vocês?
R- Muito boa.
12- Até que ponto os animais são parecidos com os humanos?
R- Acho que na índole da pessoa. Acho que os cães tem algo que reconhece
quando a pessoa não é tão boa assim.
13- Toda a família é de acordo com a presença deles (animais) em casa?
R- im, apesar da minha irmão nao gostar muito
14- Para você, um animal pode substituir um humano?
R- epende, existem pessoas que prefere viver somente com um animal ao
conviver c/ pessoas
15- O seu animal te entende?como?
R- Acho que sim. Parece que ela reconhece quendo estamos falando dela. ela
começa a abanar o rabo e latir sem parar.

Complete:
É bom ser animal porque............ esta sempe feliz
Na minha casa os animais são...................... bem vindos
Adoro quando eles...................................... brincam
Não gosto quando.......................... fazem sujeira
Melhor momento com eles............................. quando estão brincando
Pior momento com eles ................................... na hora de ficar ao lado do papai do céu
Meus animais são como..................... riqueza
A melhor coisa que eles me proporcionam é............................. felicidade
Uma palavra que descreve eles (animais) ................ amizade

Inês - Protetora do G.P.I.A.A

Nós protetores independêntes,enfrentamos muitos tipos de situações para ajudar a esses anjos:deixamos de viver,de pensar em nós.não viajamos,não vamos para casa de praia de amigos,por ter a certeza de que o que fazemos,só nós para fazer e com isso causamos um conflito familiar.Subimos morro para socorrer animais e arriscamos nossas vidas,nem preciso explicar o porquê,dado a violência nos dias de hoje. Arriscamos a nos complicar com a lei, pois, temos muitas vezes que invadir casas para tirar um animal que vive sofrendo maus tratos por seus dono.

Uma pergunta que nunca se cala dentro de nós protetores :
Como pode a humanidade tratar tão mau,aqueles que sempre estiveram ao seu lado ativamente e desempenhando o seu papel ao lado do homem com muito amor sem nenhum interesse material????

Desde que o mundo é mundo,o animal sempre esteve ao lado do homem auxiliando-o no campo,no trabalho de pastoreiro, no seu lar, como guardião da família na polícia,como escudo do policial ,arriscando a vida para a proteção de uma sociedade ingrata! Na corporação dos bombeiros, mais uma vez, tendo sua vida em risco em prol
de salvar vidas humanas ou localizar o corpo deles. Nos asilos,levando amor e alegria aqueles a quem seus famíliares os desprezaram no hospital infantil de oncologia,levando esperança e alegria e as vezes até a cura para crianças desenganadas, por último,em nossos lares,nos dando diáriamente lindas lições de vida e nos contagiando com sua alegria.
Quando por muitas vezes chegamos em casa aborrecidos,ou estamos com algum problema,basta uma labidinha e um abanar de rabo,ou um roçar do corpo com alguns ronronado pra nos trazer um sorriso.
Bem é por isso e muitas coisas mais que amo, respeito e sempre vou lutar
por esses anjos chamados, ANIMAIS NÃO HUMANOS!!!"

Vera Levy - Advogada e Protetora

"Criei no sítio de meus pais em Maricá, 30 coelhos, 100 porquinhos-da-ìndia, pato de nome Brizola, o porco de nome Alfredo que foi criado como um cachorro, pois andava atrás da gente o dia todo. também tive 14 gatos e 14 cachorros, sendo que hoje estão na geração que não sei nem mais informar qual.Tivemos também a Sonia Maria, uma jibóia maneira que por medo, minha mãe mandou soltar no mato. Tive também uma hamister de nome Campeã, um papagaio que falava muito, cantava o hino do Flamengo de nome Louro. Uma vaquinha marrom de nome Brown e hoje, tenho o Astro, meu cavalo lindão marrom bombom. Tivemos um miquinho, além dos pintinhos tradicionais".

"Não podia ver bichinhos abandonados na rua, tais como cachorrinho e gatinhos que imediatamente ligava para o meu pai no trabalho e ele liberava para eu levar para casa. Isso se dava, pois cada vez eu entrava em casa com um bichinho minha dizia; " Mais um componente pra família?" E assim foi minha adolescencia".

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Animal em casa = Boas sensações

Uma pesquisa realizada pela Universidade britânica de Cambridge, em 2002, comprova que a maioria das pessoas que adquirem cães desenvolve segurança e auto-estima. Quem tem animal de estimação sabe a sensação de chegar em casa depois de um dia de trabalho cansativo e ser recebido com festa. Isso deixa qualquer um mais feliz.A sensação de alegria libera endorfina ao cérebro, um hormônio capaz de relaxar o ser humano, colaborar com seu bem-estar, controlar a pressão sanguínea e a melhorar o sono. Por essas e outras razões não se deve desprezá-los.
Essa relação será exibida através de entrevistas, vídeos e aguardamos vídeos de você com o(s) seu(s) animal(is), mostrando a relação que vocês tem. Cada caso, uma nova história.